As 10 Estratégias de Manipulação da Mídia, por Noam Chomsky

Noam Chomsky diz que “A propaganda representa para a democracia aquilo que o cassetete significa para o estado totalitário”. Mas quando os fundos de campanha bancados por corporações elegem mais que o povo, temos uma democracia? Quando os votos dos parlamentares são comprados para legislar em prol de banqueiros, mineradoras, farmacêuticas, indústria dos ultraprocessados, indústria armamentista e o agronegócio, podemos dizer que temos um sistema representativo?

Quando passaportes sanitários* estão sendo implementados, com uma droga experimental que nem imuniza, nem previne a transmissão, favorecendo corporações com lucro anual que ultrapassam mais de 100 bilhões de dólares, podemos afirmar, com certeza, que essa é a melhor estratégia para a saúde das pessoas? 

Quando em torno de 80% das pessoas com casos graves e óbitos estão entre pessoas obesas, com diabetes tipo 2, doenças cardíacas e crônicas causadas por uma alimentação com ultraprocessados, sedentarismo e hábitos nocivos para a saúde e o foco principal do governo e da grande mídia não está em reverter essa epidemia de obesidade, doenças crônicas e sedentarismo podemos confiar que as medidas sendo implementadas visam o bem estar de todos? Entender essas 10 estratégias é um instrumento poderoso para avaliar os enquadramentos das notícias. Para que mesmo que não saibamos quais os interesses escondidos, possamos perceber a manipulação. Ter conhecimento histórico sobre como governos e corporações agem juntos para cercear as liberdades e autonomia da população favorecendo a elite do sistema vigente também auxilia muito na avaliação crítica das notícias atuais. (Ver A Doutrina do Choque de Naomi Klein)

Nota: Se você quer apoiar meu trabalho com artigos, entrevistas e traduções clique aqui. Você pode fazer doações únicas ou mensais que ajudam a manter o fluxo de trabalho.

Com o tipo de artigo que tenho escrito, não sei por quanto tempo as redes sociais manterão meus perfis. Se você quer ficar em contato direto, pode se inscrever na mala direta aqui no site e no canal do podcast impacto positivo no Telegram.

Como de costume aviso que não sou sanitarista, médico virologista ou biólogo e, portanto, as informações e opiniões que compartilho aqui não devem ser vistas como recomendações. Acredito que, ao compartilhar minhas decisões pessoais, essas reflexões valham como construção de um pensamento crítico, ecológico e sistêmico para outras pessoas.

Artigos anteriores sobre temas relacionados:

Se você gotaria de interagir sobre os artigos e traduções que publico, entre em contato educadamente e não envie links sem se dar o trabalho de desenvolver uma linha de raciocínio própria. Se sua mensagem/comentário não for respeitosa, ela será ignorada ou deletada.

 

Noam Chomsky é linguista, filósofo, cientista cognitivo e um dos maiores comentaristas e ativistas políticos de nosso tempo. As 10 Estratégias de Manipulação da Mídia são um resumo do livro Fabricando Consentimento: A Economia Política da Grande Mídia*, escrito em 1988 por Edward S. Herman e Noam Chomsky. O livro também deu origem a um documentário com o mesmo nome. 

Leia abaixo as 10 Estratégias de Manipulação da Mídia e tenha elas em mente para avaliar as notícias sobre economia, política e saúde pública. Se pergunte: essas medidas me dão mais ou menos autonomia e condições para viver uma vida com dignidade, respeito e liberdade? Essas medidas estão sendo elaboradas por quem, a quem elas mais favorecem?

* Como estou usando as 10 Estratégias de Manipulação da Mídia para fazer uma leitura crítica sobre os riscos de aceitarmos políticas nacionais e internacionais de passaporte sanitário, faço aqui a ressalva de que o Chomsky já se manifestou a favor dos mesmos. Na minha opinião uma grande incoerência já que outros pensadores de nosso tempo como Edward Snowdem tem alertado para o perigo de entregarmos nossos dados e autonomia sem pensar como o Estado não abrirá mão dos poderes ampliados nesse momento. 

* Título original Manufacturing Consent: The Political Economy of the Mass Media

1 – A Estratégia da Distração.

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças que são decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir o público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais na área da ciência, economia, psicologia, neurobiologia ou cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais” (citação do texto ‘Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas’).

2 – Criar problemas e depois oferecer soluções.

Este método também se denomina “Problema-Reação-Solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que seja este quem exija medidas que se deseja fazer com que aceitem. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja quem demande leis de segurança e políticas de cerceamento da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer com que aceitem como males necessários o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

3 – A Estratégia da Gradualidade.

Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradualmente, com conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira as condições sócio-econômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego massivo, salários que já não asseguram rendas decentes, tantas mudanças que provocariam uma revolução se fossem aplicadas de uma vez só.

4 – A Estratégia de Diferir.

Outra maneira de fazer com que se aceite uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para se acostumar com a idéia da mudança e aceitá-la com resignação quando chegar o momento.

5 – Dirigir-se ao público como a criaturas de pouca idade.

A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse uma criatura de pouca idade ou um deficiente mental. Quanto mais se pretende enganar o espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por que? “Se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, então, em razão da sugestão, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

6 – Utilizar o aspecto emocional muito mais que a reflexão.

Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto-curcuito na análise racional, e, finalmente, no sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou injetar ideias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos.

 

7 – Manter o público na ignorância e na mediocridade.

Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância planejada entre as classes inferiores e as classes sociais superiores seja e permaneça impossível de ser alcançada para as classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

8 – Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Promover a crença do público de que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto.

9 – Reforçar a auto-culpabilidade.

Fazer crer ao indivíduo que somente ele é culpado por sua própria desgraça devido à insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, em vez de se rebelar contra o sistema econômico, o indivíduo se menospreza e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição da ação do indivíduo. E sem ação não há revolução!

10 – Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem.

No decurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência geraram uma crescente brecha entre os conhecimentos do público e aqueles que possuem e utilizam as elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” desfrutou de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicológica. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que este conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior que o dos indivíduos sobre si mesmos.